04 outubro 2017

Afinal acabou-se a festa da Portela

Uma opinião de Miguel Matias  sobre o cancelamento das Festas da Portela
Sabemos que na Portela, Bairro onde "aterrei" com 12 anos vindo de Angola - como muitos outros -, criou raízes "históricas" e de "identidade" um momento. As Festas da Junta de Freguesia, local onde os Portelenses, em 3 dias de um fim de semana de Outubro (6,7 e 8) se reunem. Local onde as "forças vivas" da Portela manifestam a sua actividade sendo, elas mesmas, o coração dessa união. Marcadas que foram - com sempre - para o próximo fim de semana as ditas "festas", prepararam-se as entidades convidadas a participar. Fizeram-se encomendas, alinhavaram-se compromissos, fizeram-se "escalas" de voluntários para que, esse momento, unico, voltasse a unir.
Até aqui sem qualquer surpresa.
Mas, ontem à tarde, "cai a bomba".
Um email, protagonizado por um Funcionário da Junta, em representação da Presidente da dita cuja em exercício, cancela o evento.
Razão aparente e formal: o próximo executivo que as marque!
Razão material e verdadeira: uma derrota evidente, clara e marcante da candidata Manuela Dias, a referida Presidente em exercício da Junta.
Isto parece "comesinho" e razão de sentir apenas e só de quem vive e vive aquele bairro.
Mas não! Para além disto e por trás disto está só e apenas um ressabiamento pela derrota.
Um não saber que a Democracia é feita de rotação política que tem e deve ser respeitada, mantida e cultivada.
Nada tenho de pessoal contra ninguem envolvido nesta contenda. Não! Apenas e só uma manifestação objectiva de um desagrado pela "ausência", pela "fuga", pelo "não saber perder", pela falta de "cultura democrática" e, acima de tudo isto, um manifesto desrespeito, desconsideração e despreocupação com a população.
Estes são os caminhos perigosos que vamos trilhando se, a nossa habitual falta de atenção, de envolvimento e de participação na vida social continuarem a ser como são.
Sim, porque a Democracia é difícil!
É sim, mas é ela e por causa dela que - em liberdade - posso hoje dizer o que digo.
E, sendo difícil, a Democracia também é frágil.
Se nos alhearmos, se não quisermos saber e se não estivermos aqui a manifestar a nossa indignação, quando dermos conta, já este modelo político passou à história e, em sua substituição, o autoritarismo, o autismo e o populismo darão origem a um sistema "musculado".
Esse - eu - não quero!

Etiquetas:

4 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

O que se passou não é de admirar. Foi dar o ouro ao bandido.

11:40 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Quer os Testos quer a Manuela Dias sabiam ao que iam.
Nunca pensaram que a Manuela Dias ultrapassasse os 400 votos. Enganaram-se foi o suficiente para colocar o candidato de Moscavide em 1º lugar.

11:43 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Se existe pessoa que eu não tolero na Portela é a Sra Manuela Dias, mas Sr. Dr. Miguel Matias, anos e anos que está na Associação de Moradores da Portela, criada em 1975 para defender os interesses dos moradores perante a ausência de uma Junta de Freguesia local, interesses esses que hoje em dia se limitam a poucas e escassas modalidades desportivas onde os atletas têm que pagar para jogar. Perderam associados, credibilidade e confiança. A razão social da existência desta AMP não existe. A unica fonte de receitas está fechada há 3 anos por incompetência da AMP. Chega de hipocrisias. A portela não precisa de guerras de interesses políticos. A portela precisa que todas essas pessoas que estão a ocupar as cadeiras da AMP e da Junta deixem de olhar para os seus umbigos e se "reformem" (proponho o centro de dia de Moscavide e a Universidade Sénior). A portela precisa de voltar para as mãos dos Portelenses que moram na Portela, ou trabalham na Portela, ou os filhos estudam na Portela. A Portela perdeu para Moscavide nestas eleições por culpa de todos os que ocupam esses lugares de mesas de Assembleia, mais mesas de freguesia não sei do quê, mais cadeiras de presidência, mais vogal disto ou daquilo. Simplifiquem os problemas. Não foi só a Sra. Manuela Dias que perdeu, que, repito, eu desprezo, mas sim todos os Portelenses. Não conheço nem tenho nada contra o Sr. Ricardo Lima. Ganhou, aproveitando a fragilidade da Portela.

1:36 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Mas ja queres reformar gente com 50 e poucos anos? Então e depois quem trabalha?

10:53 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial